Aurélio Magalhães – Da China Para Casa by Bike

BLOG

Cicloturismo na Índia – O país mais difícil da minha volta ao mundo

TEMPORADA ÍNDIA –

EPISÓDIO #1 –

A Índia foi sem sombra de dúvidas, o país mais difícil que pedalei até agora. E ao longo dessa temporada você vai entender bom o porquê!

O processo de entrada de pedido de visto é burocrático e ficou ainda mais difícil porque fiz o procedimento no Nepal, que estava em estado de calamidade pública devido ao terremoto. O processo que normalmente dura dois dias, acabou levando duas semanas, atrasando minha viagem. Na época, não havia possibilidade de aplicar o visto pela internet, mas hoje já é possível. Mas atenção, Pela internet o prazo máximo de permissão é de 60 dias, e não permite extensão. Pela embaixada, pode valer até 5 anos. Passaporte válido por no mínimo 6 meses, vacina contra a febre amarela, fotos 2,5 por 5 cm com fundo branco, preenchimento de formulário, pagamento de taxas e uma série de outros documentos são necessários. Recomendo a visita no site da embaixada para saber de mais detalhes. E atenção, o visto começa valer a partir da data de emissão, e não da data de chegada ao, país como é de praxe.

Entrei na Índia por Uttar Pradesh, o estado mais populoso do país com mais de 200 milhões de habitantes. Aliás, a quantidade de pessoas e de sujeira foi uma das coisas que mais me chamaram atenção por aqui. É praticamente impossível achar um lugar limpo e desabitado ao longo das rodovias. E isso interferiu bastante ao longo de toda a viagem.

Com um sol fortíssimo e temperaturas entre 42 e 50 graus célsius, sem um pingo de vento, muitas vezes era preferível pedalar para tomar um ventinho do que ficar parado naquele baita mormaço. Usei a estratégia de acordar bem cedo e fazer longas paradas no meio do dia.

Nessas paradas, foi praticamente impossível ficar sozinho. Tentei me esconder várias vezes para ter um pouco de sossego, mas não dava 5 minutos e já era descoberto. Na verdade eu gosto do contato com o povo local, mas no início não ficava confortável com a presença deles. Depois de comer alguma coisa, geralmente armava minha rede e queria mesmo era puxar um ronco, mas não me sentia seguro em dormir e deixar meus equipamentos desprotegidos. Sem falar que os indianos são super curiosos e colocam a mão em tudo. No começo foi meio tenso, e não conseguia descansar como gostaria.

Calor, pessoas, mosquitos e pernilongos, transformaram minhas paradas em um inferno, me deixando bem cansado. Tudo isso piorou com o calor das noites na barraca. Foi bem difícil a adaptação na Índia.

Uttar Pradesh é extremamente plano, fazendo da bicicleta um meio de transporte muito utilizado. E se transporta de tudo com a magrela. As pontes e viadutos, são os únicos pontos de subida nas estradas, que se por um lado facilita o deslocamento, por outro deixa a estrada sem vistas. A única distração, é mesmo a vida intensa que rola na beira da estrada.

 


 

A viagem ao redor do globo continua. Suba na garupa e venha comigo nesta aventura!

DA CHINA PARA CASA BY BIKE, compartilhando a viagem enquanto ela acontece! Toda quinta-feira um novo episódio com dicas, curiosidades e o dia a dia de uma VOLTA AO MUNDO DE BICICLETA.

Obrigado por me seguir!

Gostou desta postagem? Então curta, comente e compartilhe!

Seu envolvimento me ajuda a manter a motivação!

Você pode colaborar com este projeto ajudando e incentivando, clique no botão abaixo e conheça minha campanha de financiamento coletivo, na plataforma APOIA.se, as recompensas começam a partir de R$8,00 por mês.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

6 + um =