Aurélio Magalhães – Da China Para Casa by Bike

BLOG

Cicloturismo no Líbano – Reconectei minha família depois de 106 anos e 30.000Km

https://youtu.be/406uLdwk2RE

TEMPORADA LÍBANO –

EPISÓDIO #1 –

Desde o dia em que decidi dar a volta ao mundo de bicicleta, a ideia de conhecer o Líbano passou a ser vista quase como obrigação! Não só pelos sabores incontestáveis da sua gastronomia, mas também como uma ótima oportunidade de tentar restabelecer contato com o ramo da família que ficou por lá. Na minha empreitada em busca da árvore genealógica dos Tanuris, consegui encontrar algumas evidências claras que meus bisavós saíram desse lugar, e que os Tannourys que encontrei em Baskinta, são realmente parentes distantes. No entanto, ainda é preciso mais investigações, pois alguns pontos não se conectam e a verdade se perde em meio a algumas variáveis.

Desembarquei em Tripoli, e segui cerca de 70 km pelo litoral onde não faltam vilas e pontos de apoio, para depois escalar uma montanha de 800m em apenas 13 km para chegar em Broumana.

Chedi Ge, membro do Warmshowers foi meu primeiro contato com os locais. Ele pedala bastante e me deu várias dicas da região, inclusive onde encontrar a melhor esfiha do Líbano e consequentemente do mundo!

Com estradinhas estreitas e sinuosas serpenteando os morros, combinada a agressividade dos motoristas, pedalar no Líbano é uma aventura e exige bastante preparo físico! Nas estradas secundárias é um pouco mais seguro, mas se paga caro com as inclinações doloridas de subidas intermináveis.

Chegar ao Líbano me deixou sensibilizado e com a emoção a flor da pele, e tudo era motivo para lágrimas… o primeiro pôr do sol; o senhor dissecando a ovelha no meio da rua que lembrou meus tempos de garoto quando acompanhava meus avôs na lida com os animais; o senhor que me abordou falando em português com sotaque árabe; Pequenos acontecimentos que de alguma forma me conectaram com o passado…

De Broumana continuei escalando para chegar em Bteghrine, que está a 950 m de altitude, onde fui hospedado por Micho Saliba via Couchsurfing. A família de Micho, adora uma reunião e são super hospitaleiros. Ter tido a oportunidade de conviver com eles foi incrível! Entre a gastronomia e a própria rotina da casa, identifiquei várias semelhanças com a minha própria família.

A única informação que possuía era que meus parentes vieram de uma cidade chamada Baskinta e chegar lá de bicicleta não é nada fácil! A cidade fica 1300 metros acima do nível do mar, distante 50 km de Beirute na região de Monte Líbano, aos pés da montanha Sannine, um badalado ponto de ski na estação de inverno, e onde são produzidas as cerejas mais saborosas do oriente médio no verão!

Cheguei na cidade e fui direto para a igreja. Expliquei para o padre o que estava buscando e ele contatou o prefeito, que chegou com o livro de registro de migrações, e começamos a buscar os nomes dos meus Bisavós. Para aumentar ainda mais a minha ansiedade, o livro estava todo escrito em árabe. Laurice e Joseph foram os dois primeiros parentes que conheci.

A história ia se confirmando e eu me emocionava a cada descoberta!

Gostaria de agradecer minha prima Alessandra Tanuri e a Tia Leonor Maria Tanuri pelas valiosas informações. Elas fizeram a diferença para alinhar a história. Muito obrigado e viva a TANURADA!!!

 


 

A viagem ao redor do globo continua. Suba na garupa e venha comigo nesta aventura!

DA CHINA PARA CASA BY BIKE, compartilhando a viagem enquanto ela acontece! Toda quinta-feira um novo episódio com dicas, curiosidades e o dia a dia de uma VOLTA AO MUNDO DE BICICLETA.

Obrigado por me seguir!

Gostou desta postagem? Então curta, comente e compartilhe!

Seu envolvimento me ajuda a manter a motivação!

Você pode colaborar com este projeto ajudando e incentivando, clique no botão abaixo e conheça minha campanha de financiamento coletivo, na plataforma APOIA.se, as recompensas começam a partir de R$8,00 por mês.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 + dezoito =