Aurélio Magalhães – Da China Para Casa by Bike

BLOG

Cicloturismo na Índia – Jodhpur: a cidade azul – Rajastão

TEMPORADA ÍNDIA –

EPISÓDIO #11 –

Cicloturismo na Índia – Jodhpur: a cidade azul – Rajastão

Cheguei em Jodhpur, a “cidade azul”, junto com a chuva das monções, famosa por trazer muitos danos nessa região do planeta. Muita água despencou a partir desse momento, atrapalhando um pouco meu cronograma.

Com quase 1 milhão de habitantes Jodhpur possui o mesmo padrão de todas as cidades indianas. Frenética, confusa, mal cheirosa, com motoristas de tuk-tuk tentando te extorquir, buzinaço, vacas, rikshaws e muita gente nas ruas, principalmente em torno da Clock Tower, que fica bem no centro do Sadar Market, um colorido e tradicional mercado de rua que faz parte de um dos principais pontos turístico e comercial da cidade. Ali, turistas e locais se misturam em busca de frutas, especiarias, bijuterias, roupas, e tudo mais. Visitei o mercado bem cedo, é nessa hora que os locais vão as compras, e de quebra evita-se os turistas, as chuvas torrenciais e o forte calor.

O majestoso forte Meherangarh erguido em 1460, é o principal ponto turístico da cidade. Situado no alto de uma colina de 120 metros de altura, foi todo construído em arenito. Subindo as ruelas e escadarias de pedras, você vai entrando na atmosfera dos tempos do marajás ao se deparar com encantadores de serpentes, músicos tradicionais, e com as lindas fachadas da fortaleza. De lá de cima é possível entender porque Jodhpur é conhecida como a “cidade azul”.

Milhares de casinhas pintadas em diferentes tons de azuis oferecem um visual bastante interessante. Existem algumas teorias que explicam esse colorido. Uns dizem que azul espanta mosquitos, outros que ameniza o calor. No entanto, a teoria mais aceita é a identificação de castas.

Além de toda sua imponência, a fortaleza também impressiona internamente. Uma visita guiada te conduz por palácios, aposentos, salões, e um acervo bastante interessante usados pelos marajás em diferentes épocas, já que o forte foi expandido por diferentes governantes entre os séculos XVIII e XIX.

O ingresso custa cerca de US$ 5, com museu, áudio guia e permissão para fotografar.

 


 

A viagem ao redor do globo continua. Suba na garupa e venha comigo nesta aventura!

DA CHINA PARA CASA BY BIKE, compartilhando a viagem enquanto ela acontece! Toda quinta-feira um novo episódio com dicas, curiosidades e o dia a dia de uma VOLTA AO MUNDO DE BICICLETA.

Obrigado por me seguir!

Gostou desta postagem? Então curta, comente e compartilhe!

Seu envolvimento me ajuda a manter a motivação!

Você pode colaborar com este projeto ajudando e incentivando, clique no botão abaixo e conheça minha campanha de financiamento coletivo, na plataforma APOIA.se, as recompensas começam a partir de R$8,00 por mês.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezoito − dez =