Aurélio Magalhães – Da China Para Casa by Bike

BLOG

O incrível deserto do Sinai no Egito.

Logo ao cruzar a fronteira entre Israel e Egito, e pagar tudo quanto são taxas… deparei me ao longo da estrada com dezenas de hotéis abandonados, o que aumentou ainda mais o meu alerta com relação aos terroristas. A estrada é linda, com visuais incríveis!  No entanto possui pouco movimento, longas subidas e alguns longos trechos sem asfalto. O sol cozinhava meus miolos… e eu só pensava em achar um lugar para me proteger da parte mais quente do dia! Ufa! Depois de uma curva em aclive, achei! Um posto de gasolina praticamente abandonado! Apenas dois funcionários que não falavam inglês. Foram simpáticos, me ofereceram um sofá onde pude descansar e comer com tranquilidade.

IMG_8065
Fronteira entre Israel e Egito ainda de madrugada. Taba border, Egito.
IMG_8074
Castelo egípcio no Mar Vermelho. Egito.

O primeiro contato com o Egito me deixou preocupado! Aqueles hotéis as moscas representavam um lugar que já havia sido próspero em turismo, mas que com as incidências de terrorismo, sofreu uma enorme debandada! Com a debandada, além dos grandes hotéis, pequenos comerciantes e pousadas também fecharam as portas. E com isso, cada vez mais, menos pessoas visitam o Sinai, e é claro, menos estrutura para um pobre ciclista mortal! Durante as 5 horas que fiquei no posto, apenas 5 carros vieram abastecer, sendo que 4 deles de uma empreiteira local.

Os conflitos abalaram significativamente a economia não apenas do Sinai, mas de todo o Egito. A maioria da população do Sinai é composta por beduínos, que deslumbraram por um tempo, todos os benefícios que o turismo traz a uma região, deixando de lado suas origens. Agora, os beduínos encontram bastante dificuldade em voltar a difícil labuta do dia-a-dia de outrora, e se agarram a esperança de que tudo vai voltar ao normal um dia! Quem viver verá!

Bom, mas a minha impressão começou a mudar logo em seguida, quando cheguei ao meu primeiro destino no Egito. Na cidade de Nuweiba, cerca de 70 km de distância da fronteira, encontrei o Sr. Maged (warmshowers), proprietário do Habiba Camp e de uma fazenda orgânica que possui um programa voluntário extra curricular para as crianças locais. Tudo é muito simples mas extremamente agradável! Além de usufruir de um dos quartos da pousada, tive a oportunidade de ministrar uma mini palestra para as crianças, onde mostrei minha rota e meus equipamentos de viagem, visitei a fazenda e aprendi muito sobre a região. Para saber um pouco mais do projeto que busca voluntários, click:  http://www.habibaorganicfarm.com/

IMG_8077
Habiba Camp. Nuweiba, Sinai – Egito
IMG_8104
Habiba Camp. Nuweiba, Sinai – Egito.
IMG_8086
Sr. Maged orgulhoso da sua plantação de tâmaras. Habiba Farm. Nuweiba. Sinai – Egito.
IMG_8093
A amiga Nour em meio a plantação de quinoa. Habiba Farm. Sinai – Egito.
IMG_8122
Centro de aprendizado Habiba Farm. Nuweiba, Sinai – Egito
IMG_8129
Centro de aprendizado Habiba Farm, Nuweiba, Sinai – Egito.
IMG_8156
Centro de aprendizado Habiba Farm, Nuweiba, Sinai – Egito.

O Sr. Maged também organizou algumas excursões na região. Em uma delas, fui visitar um oásis em um desfiladeiro no meio do deserto do Sinai. Depois de uma caminhada de meia hora no leito de um rio seco, uma piscina natural faz a alegria dos beduínos e de turistas também…

IMG_8163
Oásis. Deserto de Sinai – Egito.
IMG_8170
Oásis. Deserto de Sinai – Egito.

Também visitei a cidade de Santa Catarina, seu famoso mosteiro ortodoxo, e fiz uma linda caminhada ao pico do Monte Sinai. A cidade fica em meio as montanhas e possui um clima muito mais ameno se comparado ao “caldeirão” ao nível do mar. Através do Sr. Maged, conheci Dr. Ahrmed, um entusiasta das ervas medicinais. Além de produzir e comercializar, o Sr. Ahrmed trata muitos pacientes com as plantas, que vem de longe para serem consultados. Ele me disse que primeiro herdou o conhecimento do pai e dos beduínos e depois, através de livros, se tornou autodidata e fez vários cursos em vários países do mundo. Na sua pequena propriedade, além das plantações e consultório, funciona um pequena pousada e foi lá que pernoitei. É um lugar que vale a pena conhecer! No final do dia, tomar um chá com Dr. Ahrmed é uma opção bastante interessante para mergulhar na cultura local e vivenciar a sua rotina de consultas.

O Mosteiro Ortodoxo de Santa Catarina foi construído em 565 d.C. aos pés do Monte Sinai, em homenagem a Transfiguração de Jesus, que consiste em um episódio do Novo Testamento no qual Jesus é transfigurado (metamorfoseado) e se torna radiante do alto de uma montanha,. É um lugar sagrado para os judeus, cristãos e muçulmanos. Com 2285 metros de altitude, foi lá que Moisés recebeu os 10 mandamentos, e o local é visitado por milhares de peregrinos todos os anos.

IMG_8186
Mosteiro de Santa Catarina, Egito.
IMG_8187
Mosteiro de Santa Catarina. Egito
IMG_8196
Trilha ao Monte Sinai, Egito
IMG_8200
Caminhada rumo ao Monte Sinai. Egito.
IMG_8221
Igrejinha no alto do monte Sinai. Egito

Entre Nuweiba e Sharm El-Sheik, cidade situada no extremo sul do Sinai, foram dois duros dias de pedal e uma noite péssima em um posto de gasolina em Dahab. Forte calor, grandes montanhas e quase nada de apoio. No entanto, quando cheguei a capital egípcia do mergulho, ou Sharm, como a cidade é carinhosamente chamada, os amigos que fiz em Noweiba e Santa Catarina me receberam com a típica hospitalidade egípcia. Entre um mergulho nas águas translúcidas do Mar Vermelho, passeios e boas conversas, pude descansar e organizar a próxima etapa da minha aventura.

IMG_8243
Sharm El-Sheik, Egito
IMG_8248
Sharm El-Sheik, Egito

Minha ideia era cruzar o Mar Vermelho de balsa e seguir para Luxor e depois Cairo pelo Vale do Rio Nilo. No entanto, sem me avisar, cancelaram a balsa e fiquei na mão. kkkkk Acontece que o número de turistas no Egito caiu abruptamente e consequentemente as operadoras de turismo estão sofrendo muito. Aliás, como já mencionei acima!

Com isso restaram duas opções. Seguir pedalando pelo Sinai rumo ao Canal de Suez e de lá seguir para o Cairo, ou pegar um ônibus até Luxor, e de lá seguir o meu plano inicial. Optei pela segunda opção, pois terei a oportunidade de pedalar no Vale do Rio Nilo, um cinturão verde em meio ao deserto do Saara que muito me fascina.

IMG_3152
Minha bike no bagageiro do ônibus rumo a Luxor, Egito.

Ao pedalar em regiões inóspitas como o deserto, a prioridade passa ser conseguir o mínimo de conforto, como uma garrafa de água gelada, um cantinho com ventilador para passar a noite ou mesmo uma sombra na beira da estrada para poder descansar e se proteger do sol escaldante. Com isso, até consigo durante o pedal, fazer uma ou outra boa foto, mas o lado gastronômico passa para o segundo plano, e conseguir uma receita que vale a pena passa a ser questão de sorte! Comi alguns pratos bons e diferentes durante a minha estadia no Sinai, mas nada que valesse a pena registrar ou catalogar para o livro. Espero que na beira do Nilo isso possa mudar.

Gostaria de finalizar esse post agradecendo todos que de alguma forma contribuíram e fizeram dos meus dias no Sinai muita mais agradáveis! Muito obrigado!

 

 

 


 

A viagem ao redor do globo continua. Suba na garupa e venha comigo nesta aventura!

DA CHINA PARA CASA BY BIKE, compartilhando a viagem enquanto ela acontece! Toda quinta-feira um novo episódio com dicas, curiosidades e o dia a dia de uma VOLTA AO MUNDO DE BICICLETA.

Obrigado por me seguir!

Gostou desta postagem? Então curta, comente e compartilhe!

Seu envolvimento me ajuda a manter a motivação!

Você pode colaborar com este projeto ajudando e incentivando, clique no botão abaixo e conheça minha campanha de financiamento coletivo, na plataforma APOIA.se, as recompensas começam a partir de R$8,00 por mês.

6 respostas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × dois =